e é mais uma vez sobre o corpo…

 

E é mais uma vez sobre o corpo,
composto por não-ditos,
atravessando dias e noites,
o mesmo superestimado das fotos preto e branco,
prosperando deuses nas unhas, dedos e mãos,
curvado a apanhar cacos de um pensar sonegado.
O que carrega os oráculos da carne,
o ego teso,
carpindo desejos nus e o tempo que arde,
visceral,
se vem de fora, de dentro,
duas faces anacrônicas quando contigo.
E é mais uma vez para esquecê-lo,
e all that jazz,
e o que não se confessará:
o coração do movimento inteiro,
a paixão que te inflama.

Comments are closed.