que toda a noite te torne humana: obra


Esses traços que nos entregam à vista
essas questões de descoberta e companhia
essa fidelidade de um tinto compartilhado
…………………..a mão estendida,
…………….um cigarro aceso
(um maço inteiro numa manhã de abril)
conversas tolas sobre alguma consciência
…..que talvez nos falte agora
a exatidão de poemas mal escritos e alugueis atrasados
o pó estendido através de prestações desperdiçadas
a cor por entre as frestas de um sonho
sobre como a noite vai desenhando os encontros
…..e como tudo isso é diferente do resto, vozes
……………………………..contra o vidro embaçado –
……..daqui a pouco a chuva irá nos atrasar
…..mais uma vez –
e o que dizer da estranha disposição de tudo
da necessidade de nos mantermos vivos
dessa absoluta presença do vazio
gestos perdidos fazendo sombra no chão molhado
em contraponto á luz do poste
que denuncia aos míopes se a chuva ainda está ali
…………….ainda com o reflexo do desprendimento
rabiscado em papel manteiga

Comments are closed.