na praça da Pedra, arespeito do candeeirocafe



……….Pois a inocência só é bela
…………….quando não há nada para além do
………………………………..momento,
..quando os corpos povoados de presença
………………reinventam a própria pele na orgia;
…………………..outra maneira de sentir,
………………uma outra maneira do sentir:

o conhaque mais forte no peito
cigarros queimando nos cinzeiros da memória
conversas que respiram povoadas de ausência
as paredes retorcidas nesse estranho novelo de espelhos dilacerados
quando os interditos já são claros demais para falarmos
enquanto a Pedra povoa nossas almas de peito inflado
.comboio de apontamentos desconhecidos –
….sê, candeeiro, feito a Hercílio Lima: alma extraviada
no coração de Conquista
– tudo isso sussurros do que ainda não dizemos
……….do que iremos dizer quando

…………….(os passos tremendo
..ante esses estranhos rios de orelhas profundas e metais
……………………………………submersos –
paisagem estendida por sob os cacos de nossas unhas
…………………….à luz de desenhos opacos ao entardecer
……………………………………………………………………
…………………………………………….leituras descortinadas
…………entre um trago e outro
……enquanto um tinto galga em nosso sangue

……..uma revoada de anjos trôpegos em sua eternidade)

Comments are closed.