tudo isso numa caixa

02 poemas




Noites claras
Pálidas vinhas
A beleza soluta já dorme.
Aqui nós
que voz aflige,
seu berço já não te toma.
Mais plácidas as hifas do ar
fecham o vale por onde tu crer.
Papel pautado!



Atmosfera do beijo –
Um elogio como música para os ouvidos.
Corpos,
Mãos à boca;
Sublime pintar de rosto.
Encoste –
Arrepio, disparo, pensando:
Cósmico escorregar se consome como uma chama.
Paredes constróem-se para nós
(aqui, desejo de ter tudo isso numa caixa).

Comments are closed.