para serem alegorias infinitas

02 poemas


As lembranças daquela cidade
num lugarejo pequeno
pensamento pequeno
pequeno em tamanho e conteúdo:
vejo pessoas e vejo a chuva
uma chuva suave e amena
e as pessoas a passear por ela
e a reclamar da vida
da vida que parece não dar trégua
nem tempo para descansar
todas as pessoas que não sabem
que a vida e a chuva
se confundem numa única jornada
para serem alegorias infinitas para cada vida
por mais insignificante que seja o instante
por maior que seja a cidade


ora et labore

Não sabemos começar nada
terminar tampouco
Arremesso pedras nas janelas
e as estilhaço
porque as portas sempre
estiveram trancadas
É triste viver sem contemplar
a noite
A luz sempre acesa do dia
ameaça todos os erros
e se faz severa
com os poucos acertos
Oramos de olhos abertos
e trabalhamos com os punhos cerrados
Enquanto a noite acaricia
nossos cabelos molhados

Comments are closed.